Entenda o que são tendências de mercado

O mapeamento de tendências possibilita enxergar as mudanças de mercado

Avaliação
Sem votos

Publicado em 16/05/2019 | Atualizado em 17/07/2019

Imagem do Topo
frutas

Se você olhar com atenção para o cenário atual, verá que alguns hábitos de consumo estão em alta, enquanto outros vão saindo de cena. Assim como a moda, o mercado em geral também vive de tendências. De acordo com Philip Kotler, acadêmico e referência em marketing, as tendências de mercado podem revelar como será o futuro de um setor baseado no que, hoje, é consumido dele.

Para ele, existem três tipos de comportamento mercadológico que podem ser observados:
modismos, tendências e megatendências. 

Diferentemente do modismo, que é imprevisível, a tendência pode ser prevista através de observação criteriosa da mudança de hábitos e mapeamento de novas necessidades do grande público.

Veja um exemplo: enquanto as paletas mexicanas foram um modismo, o trabalho remoto é uma tendência. É impossível saber se amanhã ou ano que vem as pessoas vão demandar paletas mexicanas na mesma intensidade de quando o produto virou febre, mas não é impossível estar certo de que os espaços de coworking vieram para ficar.

Ou seja: a paleta é um modismo e trabalhar em escritórios compartilhados, uma tendência.

Já as megatendências apontadas por Kotler dizem respeito a hábitos de consumo que ainda não existem, como os carros inteligentes, dirigidos por robôs, por exemplo: estudos mostram que o produto vai existir e apontam até quais empresas irão colocá-lo no mercado. Hoje, ninguém pode comprar um carro inteligente na concessionária, mas, quando isso for possível, não será um modismo, e sim uma tendência de consumo.

Vamos, aqui, focar nas tendências de mercado, pois os modismos são passageiros e as megatendências ainda nos dão alguns anos de estudo e reflexão. Para o presente, antever tendências significa identificar boas oportunidades de negócio e criar vantagens competitivas baseadas em dados reais sobre as áreas de atuação de uma empresa.

O mapeamento de tendências também possibilita a gestores enxergar mudanças e remar de acordo com a corrente, e não contra ela. Pense no exemplo das paletas mexicanas: o empresário que apostou na moda e ficou de olho nas tendências de mercado conseguiu adaptar as estratégias, redirecionar as velas e partir para outros mercados.

Perceber mudanças necessárias antes que elas se tornem urgentes é um desafio para todas as empresas, e a análise de tendências facilita essa tarefa.

Outra vantagem é conseguir se preparar, com antecedência, para os desejos dos clientes, mudando atributos de produtos e serviços de acordo com a demanda latente. Nesse caso, podemos pensar em agências de marketing que viram as redes sociais despontar como forte tendência e apostaram nesse mercado. Hoje, o marketing digital é tão forte quanto o tradicional.

Sem enxergar essa e outras tendências, muitas empresas que hoje fazem sucesso teriam deixado de existir. É por isso que buscar oportunidades a partir desse viés pode fazer toda a diferença para o futuro da sua empresa. 

Você vai encontrar aqui

Como mapear e identificar as tendências de mercado?
Como identificar uma oportunidade de negócio?
Por que investir nas tendências de mercado?
Como utilizar as tendências de mercado para ter vantagem competitiva?
O que são nichos de mercado?
Quais são as tendências de mercado para os próximos 10 anos?
Quais as tendências de mercado em 2019?

Como mapear e identificar as tendências de mercado?

No passado pode ter sido difícil identificar tendências de mercado e mapeá-las de forma a transformar as informações em oportunidade. Hoje, não mais. A tecnologia possibilita a identificação de novos consumos através de ferramentas simples, online e gratuitas, como essas:

Google Adwords Keyword Tool, que mostra as palavras-chave mais buscadas em cada segmento;


Google Alertas, que aponta assuntos de interesse da empresa e em qual contexto eles estão sendo citados;


Google Trends, que faz a análise de tendências a partir de buscas por palavras-chave e assuntos mais comentados;


Redes sociais, que possibilitam o mapeamento de assuntos ou nichos que viram tendência a partir do uso de hashtags, como é o caso do Instagram e do Twitter.

Há ainda outras ferramentas pagas que são softwares de CRM - Customer Relationship Management, ou, em português, programas de gestão de relacionamento com o cliente - e pesquisas de tendência, feitas através de questionários e entrevistas com grupos focais.

Todas essas alternativas podem clarear o cenário real de tendências pelo qual passa um determinado mercado, com um diferencial importante: elas vão fazer o levantamento das oportunidades de negócios baseando-se em dados concretos, e não em achismos. Empresários podem achar que, por gostarem de determinado produto ou virem valor em um tipo específico de prestação de serviço, todos vão gostar também.

A opinião de uma pessoa dificilmente indicará uma tendência. Por isso, o melhor a se fazer é estudar, através de ferramentas assertivas, o que o futuro aguarda para seu mercado.

Em outras palavras, não tome decisões empresariais por conta própria: aproveite a oferta de ferramentas gratuitas, e a acessibilidade de muitas das pagas, para embasar sua escolha com confiança e, principalmente, certeza.

Como identificar uma oportunidade de negócio?

O termo “oportunidade de negócio” pode gerar estranhamento aos ouvidos mais céticos, uma vez que foi muito utilizado, nos últimos anos, para atrair empreendedores a pirâmides financeiras e outras modalidades de negócios que não são, realmente, boas oportunidades. Contudo, elas existem. Identificá-las depende, basicamente, de duas habilidades:

1. Foco
2. Curiosidade

Só está apto a identificar oportunidades quem tem foco naquilo que faz. Sem destacar um nicho, um público ou um objetivo empresarial, o chamado da “tendência” pode acabar sendo o canto da sereia, que atrai, mas não gera bons resultados. Isso significa que, para saber diferenciar o que vale a pena perseguir do que não tem chance de dar certo, é preciso dar atenção aos detalhes e estudar, de forma dedicada, o mercado em que se pretende empreender.

Uma pessoa que quer abrir uma academia e encontra uma à venda, por exemplo, precisa estudar o ponto, o público, os gastos, os investimentos, o retorno e os diferenciais da marca antes de decidir comprar o estabelecimento que apareceu pelo caminho.

Entender a economia do país ou da cidade no momento da tomada dessa decisão também é importante, pois uma excelente aquisição pode se tornar péssima se não for feita no momento certo de consumo dos clientes. Mora aí a urgência em buscar tendências.

A curiosidade é ferramenta indispensável para calibrar o foco: sem perguntar ao consumidor, à concorrência, a especialistas ou mentores as preferências de consumo, e sem se perguntar quais são os desdobramentos desse consumo hoje, é mais difícil acertar a mira.

Ao fazer essa análise curiosa, tenha em mente perguntas do tipo: qual é o problema do usuário que minha empresa pode resolver? Ele está preparado para essa solução? Pode pagar por ela? Esse é um tipo de negócio que pode durar mais de cinco anos?

Além dessas, uma que não pode faltar é: estou olhando para uma tendência ou para um modismo?

Se a resposta for “um modismo”, isso não significa que você não possa investir nele; contudo, é preciso estar ciente de que a perspectiva de retorno do investimento e geração de lucro será bem menor do que na abertura de negócios voltado para tendências.

Pense, por exemplo, nas diferenças entre abrir, na mesma cidade turística, uma pousada que cause no usuário a sensação de estar de volta ao século XIX, com ambientação completa, e outra com decoração neutra, mas hospedagem de qualidade e preços mais baixos para atrair mochileiros.

Enquanto a primeira pode ser sensação por um ou dois anos, a decoração pode ficar datada e passar a moda de se hospedar dois séculos atrás; contudo, com cada vez mais pessoas viajando com menos dinheiro, em busca de experiências, e não de consumo, a segunda opção de pousada pode faturar por anos a fio.

OLHA A DICA! 
Veja as dicas para melhorar o foco e fazer as perguntas certas na hora de identificar oportunidades de negócios.

Segmente seu mercado de acordo com a realidade da sua clientela;

Não se esqueça que mercados restritos podem mostrar boas oportunidades. Bons exemplos são os produtos sem glúten e sem lactose, que antes eram muito caros e agora podem ser encontrados – e consumidos – a preços mais acessíveis;

Leve em consideração que o preço mais acessível de um produto historicamente caro, como uma consulta médica particular, por exemplo, pode se tornar uma boa oportunidade de lucro.

Por que investir nas tendências de mercado?

Viver de seguir o que os outros fazem pode até dar certo por um tempo, mas dificilmente dará por muitos anos. Ao perceber e investir em tendências de mercado, sua empresa ganha a chance de estar sempre um passo à frente dos concorrentes do seu setor.

O exemplo do valor desse investimento vem de Steve Jobs, fundador da Apple, primeira empresa a apresentar, em 2007, um modelo de smartphone. Sua empresa nasceu da inovação que, por sua vez, sempre se baseou em tendências de mercado. Nas pesquisas que levaram a Apple a criar inúmeros produtos diferenciados, entre eles o iPhone, Jobs percebeu o que as pessoas queriam ter, mas não sabiam sequer explicar esse desejo.

Vem daí sua célebre frase: “as pessoas não sabem o que querem até que mostremos a elas”. O empreendedor se mostrou certo em todas as inovações da sua empresa. Hoje, o iPhone não é o único smartphone disponível para compra, mas foi o produto que concretizou a tendência e abriu as portas de um mercado até então inexplorado. Os modelos da Apple são conhecidos por serem os pioneiros e seguem sendo considerados objetos de desejo. 

A Nokia, por sua vez, apostou que o smartphone seria um modismo, uma onda passageira. A miopia da empresa, que foi a primeira a disparar na produção de telefones celulares na década de 1990, custou caro: a gigante financeira fechou as portas produtivas e acabou sendo vendida para a Microsoft, que utiliza seu campo industrial para produções próprias.

Em resumo, investir em tendências de mercado aumenta consideravelmente a vantagem competitiva de uma empresa, enquanto fechar os olhos para elas pode significar a falência do empreendimento.

Como utilizar as tendências de mercado para ter vantagem competitiva?

Será que, na prática, transformar tendência em vantagem é fácil como parece na teoria? 

A resposta vai depender do quanto você está certo de que sua pesquisa por novas oportunidades foi, de fato, assertiva e realista.

Para que seja fácil transformar tendências em vantagens, as decisões precisam estar publicamente seguras. Veja, novamente, o caso de Steve Jobs: em todas as apresentações de produtos da Apple, ele jamais mostrou dúvidas sobre a construção do produto ou seu valor de experiência na vida das pessoas.

Se você desenvolve um produto ou serviço mas não o promove com segurança e autenticidade, não mostrará ao público as tendências que ele abraça.

Como garantir essa confiança? 
Com as pesquisas de mercado. 

Os dados que você tem, cruzados aos diferenciais que promove, vão montar seu discurso de vendas. Além disso, a pesquisa vai mostrar como o consumidor se sente em relação ao produto, à marca, ao preço e à concorrência atual.

A vantagem competitiva será sempre baseada em decisões estratégicas de qualidade. Sem elas, não há como garantir o sucesso de nenhuma empreitada.

Outra forma de utilizar as tendências para ficar um passo a frente dos competidores é estudar as formas de comunicação de seus produtos e serviços junto ao público. Se eles estão na internet, não adianta dar publicidade ao negócio através dos classificados do jornal. Escolher bem a linguagem, a mídia e a forma com que o conteúdo é passado são as ferramentas certas para que sua mensagem atinja o alvo, como esperado.

Vale lembrar que não existem promessas em tendências de mercado: mesmo quando elas parecem certeiras, podem, por algum motivo, jamais virem a se concretizar. Portanto, a vantagem competitiva não reside apenas em identificar as oportunidades mas, também, a perceber os erros em tempo hábil.

Insistir em vender rádio-relógio na era do despertador digital, por exemplo, pode ser um erro, mesmo que a tendência aponte que “os consumidores querem mais produtos retrô”. Talvez não seja exatamente esse produto que a tendência aponta, e perceber isso antes de comprar um enorme estoque pode te salvar de uma série de dores de cabeça e frustrações.

Para completar, existe uma metodologia que identifica vantagens competitivas mesmo quando o foco não é lançar ou seguir tendências: a SWOT, que mostra forças, fraquezas, oportunidades e ameaças de uma empresa frente à concorrência e a seu nicho, como um todo. Ao fazer a análise de pontos fortes e fracos da sua empresa, é possível se preparar melhor para lidar com a concorrência e, estando em uma boa situação, fica mais fácil focar em novas oportunidades de mercado.

Afinal, é difícil para o empreendedor inovar enquanto está apagando incêndios de decisões anteriores, e estudos como a SWOT ofertam certa tranquilidade para dar o passo seguinte, através do conhecimento de suas fraquezas e diferenciais direcionando estratégias futuras.

O que são nichos de mercado?

Nichos de mercado são setores, traduzidos em grupos de consumo, que podem gerar lucro a determinadas empresas quando o produto e/ou serviço é diretamente direcionado a eles. Esse foco é feito através de conteúdos, padrões de atendimento e até desenvolvimento de produtos ou serviços.

Esses nichos são bem específicos e precisam ser tratados como tal. Por exemplo: intolerantes à lactose são um nicho dentro do mercado de nutrição e alimentação; recém-casados são um nicho do mercado imobiliário; estudantes do ensino médio são um nicho do mercado intercambista, etc.

Uma empresa que produz óculos de sol pode ter diversos nichos e, para eles, desenvolver seus produtos ao passo que tratar como consumidores “todos que gostam de óculos de sol” pode ser perigoso, por ser genérico. Não há, nesse grupo, nenhuma definição que diferencie os consumidores. Agora, se a empresa produz óculos de sol com armações de madeira, o perfil de seu público não é tão geral: ela, com certeza, responde aos desejos de consumo de um nicho.

Resumindo, cada micro área dentro de um segmento largo de mercado pode ser considerado um nicho, desde que haja demanda específica vindo do grupo que a micro área representa. Dessa forma, atuar para nichos, ao invés de para o mercado em geral, pode ser a resposta a uma tendência que vai gerar vantagens competitivas à empresa.

Quais são as tendências de mercado para os próximos 10 anos?

Recrutadores comumente perguntam a candidatos em entrevistas de emprego onde eles se vêem daqui a cinco anos, na tentativa de mapear ambições e anseios e fazer uma projeção do futuro da pessoa na empresa.

Empresários devem se fazer a mesma pergunta, mas ampliando um pouco o escopo de visão: onde a empresa pretende estar daqui a dez, vinte, trinta anos? 

O futuro pode ser incerto,
mas o propósito do empreendimento, não.

 

A mesma observação pode ser feita sobre as tendências: como podem ser observadas e mapeadas, estudá-las e entendê-las profundamente pode gerar uma fonte de vantagens competitivas.

Fique atento ao que será tendência de consumo nos próximos dez anos:

Economia Colaborativa

Tudo o que for sustentável pode se traduzir em tendência de mercado, já que a renovação de recursos é uma preocupação planetária. Portanto, alguns nichos podem estar incipientes nessa seara. 

A conscientização ambiental é o primeiro sinal da vinda da economia colaborativa: ao invés de consumir mais e gerar mais resíduos para o ambiente, pessoas vão compartilhar bens direta ou indiretamente. AirBNB é um exemplo de compartilhamento de casa no sistema de hospedagens, Uber é uma forma de compartilhar caronas por aplicativo e algumas startups despontam no segmento de aluguel pessoal de roupas, sapatos e acessórios, inclusive de luxo.

Com a economia colaborativa, o consumismo tende a dar lugar às compras com propósito, abrindo um leque de possibilidades a empresas que querem valorizar o compromisso tácito entre consumidores e meio ambiente através da inovação de produtos e serviços.  

Saúde

Ainda no ramo da conscientização, cada vez mais as pessoas buscam uma vida com mais qualidade, propósito e, claro, saúde. Por conta disso, mercados como o de orgânicos, alimentos saudáveis, meditação, ioga e esportes têm ficado face à procura crescente e boas chances de lucro.

A população entende que vai envelhecer mais, que viver por mais tempo é uma realidade, e está disposta a investir bastante em passar seu tempo com a maior qualidade de vida possível. Iniciativas de saúde são, certamente, uma tendência que está se tornando rotina.

Artesanato

O “feito a mão” é uma boa tendência a se apostar porque, pelo conjunto da obra, garante tanto o reaproveitamento de recursos e resíduos quanto a exclusividade do produto final. Com o artesanato, nada é exatamente igual ao que foi produzido anteriormente, e todo resultado fica envolto pelos ares da arte.

Seja em tecido, madeira, tinta ou até na culinária, produtos personalizados e trabalhados por horas por uma só pessoa geram um valor agregado que se consolida como preferência de consumo. Por outro lado, o artesão sempre existiu, demonstrando que a indústria não tira o lugar de quem produz por conta própria.  

Franquias

Quem acredita nas franquias como boa oportunidade de negócio pode continuar acreditando nos próximos dez anos, com uma diferença: a partir de agora, são as microfranquias que vão despontar como tendência de investimento. Elas demandam menos investimento inicial, estruturas menores e possibilitam retorno no investimento em um intervalo de tempo mais interessante.

Atualmente, as franquias podem exigir aportes milionários para serem abertas e demandarem paciência do empresário por cinco ou dez anos, para que todo o valor investido seja retornado e a empresa comece a gerar lucro. Nesse cenário, as microfranquias são opção viável e vão garantir satisfação tanto aos pequenos empresários quanto às marcas que as comercializam. 

Quais as tendências de mercado em 2019?

Não dá para esperar os próximos dez anos para observar as tendências de mercado? Tudo bem: entendemos a sua ansiedade de empreendedor. Olhar pela longa estrada é importante, mas é também no momento presente que precisamos fazer dinheiro.

Pensando nisso, separamos as
principais tendências de mercado para 2019.

Elas vão aparecer aqui no formato de uma lista, e é seu dever de casa identificar as que melhor podem atingir seu mercado, proporcionando o entendimento – ou criação – de um nicho específico, para garantir que a oportunidade de negócio seja, realmente, interessante para seus objetivos.

As 10 principais tendências: 

Iniciativas em economia compartilhada e colaborativa; 

Negócios de nutrição voltados a alimentos orgânicos;

Cursos livres;

Negócios voltados ao trabalho remoto, como decoração de home office e escritórios de coworking;

Food trucks continuam em alta e vão surgir demandas, nos grandes centros, por cozinhas cada vez mais exóticas;

Aplicativos que guiam mudanças significativas no estilo de vida, como ioga, meditação e veganismo;

Imóveis à venda podem ser alugados por temporadas menores, até que surja um comprador, e não mais pelo mínimo de um ano. Imobiliárias “alternativas”, que compram, vendem e alugam por aplicativos, também estarão em alta;

Iniciativas voltadas a finanças, como as fintechs e aplicativos de mentoria financeira;

Mercado de serviços em geral para quem quer empreender, com mais facilidade para abrir o próprio negócio;

Indústria da inovação, com tecnologias voltadas para o uso da inteligência artificial e mecanização total de determinados processos, como atendimento telefônico ou pela internet.

Lembre-se que essas e outras tendências estão voltadas aos pilares de propósito de consumo e consumo consciente. 

Não tenha medo de se reinventar, se for o caso. Quando a tendência aponta para o crescimento, fazer mudanças é o que pode garantir seu sucesso e relevância junto ao nicho de consumo que escolher servir. O público agradece – e compra. Pode apostar.